segunda-feira, 14 de julho de 2008



O que torna um executivo eficaz

Publicado em junho de 2004

Um executivo eficaz não precisa ser um líder - não no sentido em que o termo é comummente empregado hoje em dia. Harry Truman, por exemplo, não tinha um grama de carisma e mesmo assim foi um dos presidentes mais eficazes da história americana. Assim como ele, alguns dos melhores executivos com quem trabalhei em 65 anos de carreira - de organizações com e sem fins lucrativos - não se encaixavam no estereótipo do líder. Eram variadíssimos no que define a personalidade, atitude, valores, pontos fortes, pontos fracos - havia do extrovertido ao semi-recluso, do despreocupado ao controlador, do generoso ao parcimonioso.

E eram eficazes porque seguiam, todos, as oito seguintes práticas:

- Perguntavam "O que precisa ser feito?".
- Perguntavam "O que é bom para a empresa?".
- Criavam planos de acção.
- Assumiam a responsabilidade pelas decisões.
- Assumiam a responsabilidade pela comunicação.
- Focavam oportunidades em vez de problemas.
- Faziam reuniões produtivas.
- Pensavam e diziam "nós" em vez de "eu" (...)

Acabamos de analisar as oito práticas do executivo eficaz. Para fechar, faço uma recomendação final. É algo tão importante que será elevado à condição de regra: ouça primeiro, fale depois.

E aqui termina a série de conselhos práticos de Peter Drucker condensados a partir de vários artigos publicados na Harvard Business Review.

(fonte: Harvard Business Review)

Posted by ... boost alpha às 11:35
Categories: Labels:

Sem comentários: