sexta-feira, 10 de outubro de 2008



O SENHOR DIZ QUE OS INCENTIVOS SÃO A PEDRA DE TOQUE DA VIDA MODERNA. PODE EXPLICAR ESSA IDEIA?
As pessoas tendem a agir da maneira que lhes seja mais conveniente. O que as move é o que nós, economistas, chamamos de incentivo. Não estou a falar apenas em dinheiro. Os incentivos sociais – como a maneira como as pessoas vêem umas às outras – às vezes são até mais poderosos. Temos provas de que as pessoas agem de maneira muito diferente quando estão a ser observadas. Isso vale até para o voto. Os suíços adoram votações e fazem isso constantemente. Quando uma reforma eleitoral permitiu que eles preenchessem os seus boletins de voto em casa e as mandassem pelo correio, porém, o número de votos caiu: ser visto nas filas da secção eleitoral era um incentivo social importante para que as pessoas participassem nas eleições. Os incentivos são a resposta para quase todas as questões sobre o comportamento humano – e, portanto, o melhor caminho para prever o que as pessoas farão.

A ECONOMIA REALMENTE EXPLICA TUDO?
O.k., não vamos exagerar. A economia é uma ferramenta extraordinária, mas que muitas vezes oferece apenas uma resposta parcial. As outras ciências têm contribuições importantes a dar. Aliás, há cada vez mais economistas a trabalhar na intersecção com disciplinas inesperadas, como a neurociência ou a biologia evolucionista. Aquilo em que acredito piamente é que a economia é uma ciência cujas ferramentas lógicas e estatísticas podem ser empregues em quase todos os aspectos da vida moderna. Pessoalmente, tento pegar em temas nos quais a economia nunca foi aplicada e entendê-los sob esse prisma. Não porque eu ache que com isso entenderei tudo, mas porque assim ajudarei as pessoas a encontrar partes substanciais da resposta.

PORQUE O SEU INIMIGO DECLARADO É O QUE CHAMA DE SABEDORIA CONVENCIONAL?
Vivemos num mundo em que as pessoas nos dizem o tempo todo que as coisas funcionam desta ou daquela forma. Mas basta arranhar a superfície da realidade com algumas boas perguntas para ver quanta mistificação existe por aí. Por exemplo: os assentos de segurança para crianças no carro são caros, grandes e difíceis de instalar. E por isso as pessoas pensam: "Uau, isto deve funcionar mesmo, senão por que se compraria um trambolho assim?". Mas seja um pouco céptico. Dê uma olhadela nos estudos. Vai descobrir que, nos Estados Unidos, os assentos não são mais eficientes do que o cinto de segurança comum para crianças a partir dos 2 anos.

VIOLÊNCIA E CRIMINALIDADE SÃO TEMAS CONSTANTES PARA SI. RECENTEMENTE, HOUVE UM REFERENDO SOBRE A PROIBIÇÃO DA VENDA DE ARMAS NO BRASIL. A IDÉIA NÃO FOI APROVADA – MAS, SE FOSSE, PODERIA REDUZIR O CRIME?O problema de uma lei como essa é que ela só proibiria as armas novas, mas deixaria com as pessoas milhões de armas que foram vendidas antes de a medida entrar em vigor. E armas podem durar para sempre. Acho muito difícil uma política que livre um país das armas. Não acredito que, se a lei tivesse sido aprovada, faria muita diferença nos índices criminais do Brasil. Uma lei como essa provavelmente dificultaria a compra legal de armas, mas não afectaria o comércio ilegal. As questões reais para diminuir o crime no Brasil são o sistema judicial ineficiente, a corrupção da polícia, as prisões lotadas e os bandidos nas ruas. Os brasileiros deveriam lutar contra o crime, e não contra as armas.

EXISTE ALGUM ELO ENTRE O DESEMPREGO E A CRIMINALIDADE?
Há uma relação muito fraca entre desemprego e crime. Nos Estados Unidos, para cada 1%de aumento no índice de desemprego há um aumento de 1% nos crimes de furto de propriedade e assaltos. Por outro lado, há evidências de que a distribuição desigual dos rendimentos está fortemente relacionada ao crime. Elas mostram que, se a distribuição dos rendimentos fosse mais equilibrada, haveria menos crime num país como o Brasil. Mas, se o país está preocupado em combater o crime, a melhor maneira é punir os criminosos, mostrando a eles que o crime não compensa. Historicamente, pelo que sei, no Brasil nunca houve vontade política para punir criminosos e limpar o sistema policial dos corruptos. Ao culpar só os problemas sociais pelo crime, as pessoas estão a olhar para o lado errado.

NUM LIVRO EM QUE USA A ECONOMIA PARA EXPLICAR O COMPORTAMENTO AFECTIVO E SEXUAL, RICHARD POSNER DEFENDE A CRIAÇÃO DE UM MERCADO DE COMPRA E VENDA DE CRIANÇAS ABANDONADAS. COMO ECONOMISTA E PAI DE UMA CRIANÇA ADOPTADA, O QUE O PENSA DISSO?
Não é uma ideia tão doida quanto parece. É caro adoptar uma criança nos Estados Unidos, demora muito tempo e verificam-se, na prática, pagamentos da família adoptiva à mãe da criança. Outra área em que a questão moral está envolvida é a doação de órgãos. Muitas pessoas pensam que não se deve pagar ao doador pelos órgãos. Mas acho que isso não faz muito sentido. Desde que o doador – vivo ou morto –concorde em vender seu rim e entenda os riscos, eu sou a favor do negócio. Pessoas morrem na hemodiálise por falta de rins. Acho que a melhor maneira de resolver esse problema é pagar pelos órgãos.

QUE TIPOS DE CONSELHO SE DEVEM DAR AOS FILHOS?
Não sou especialista em criar filhos. O que dizemos em Freakonomics é que não importam tanto as coisas específicas que faz com seu filho, como levá-lo ao museu ou ler muito para ele. O que mais importa é o tipo de lar que constrói – ser honesto, ter recursos, amar e cuidar da criança. Para mim, essencial é amar. Se conseguir mostrar com acções e palavras que ama seu filho e se importa com ele, haverá mais hipóteses de ele ser um adulto bem-sucedido.

(fonte: revista Veja)

Posted by ... boost alpha às 14:24
Categories: Labels:

1 comentário:

Anónimo disse...

poxa to trist com a mort dele to d luto qm vai enveta aa 5 geração dos melhores aparelhos portateis do mundo,kra ele fz uma revolução o primeiro computador do mundo tinha o tamanho de uma sala d jamta e com inteligencia dele existem computadores q kbm na palma da mão...fora q ele enventou os melhores processadores do mundo...temos q fazer uma homenagem a ele qm concorda com migo deixe um comentario em homenagem a ele.