quarta-feira, 31 de outubro de 2007


A arte de rua ou a "street art" acumula em si própria espíritos contraditórios. Por um lado é uma imposição visual explorada de uma forma narcisística e hedonista, por outro revela uma capacidade de nos surpreender e por vezes modificar a percepção do nosso quotidiano.

Perante este último cenário, a arte de rua poderia ser uma arma com um poder considerável para promover, marcas, produtos, serviços, mas facilmente se tornaria numa clara violação dos direitos de privacidade de todos nós, consumidores. Esperamos sinceramente que não se percorra esse turtuoso caminho.
A arte de rua tem a sua maior experssão nos grafitti. Quando surgiram causaram impacto pela sua exuberância e novidade. Desde então houve alguma evolução a nível técnico e na audacidade dos artistas em colocarem as suas obras nos locais mais improváveis. Criou-se mesmo um estilo de vida próprio que se repercutiu pelo mundo fora, dando origem a novas oportunidades de comercialização de produtos para esta arte e inclusivé ao surgimento de inúmeras empresas com sistemas anti-grafitti. Teve de facto uma impactação muito interessante.
Esteticamente a sua evolução tem sido lenta. As letras são todas parecidas em qualquer parte do mundo e os motivos, também eles pouco diferem aos olhos de um leigo (como eu). Sempre apreciei estes avanços estéticos nas esquinas das cidades, mas depressa fiquei desiludido com o pouco arrojo e a falta de imaginação demonstrada.
O ressurgimento dos stencil veio dar uma forte ajuda e um rejuvenescimento deste tipo de arte e julgo que finalmente temos vindo a assistir a um ligeiro avanço nesta corrente.

Para hoje ficam alguns exemplos de arte de rua que consideramos brilhantes. Juntamos também um exemplo de como o mobiliário urbano pode ser integrado de uma forma divertida e harmónica na vida de uma cidade.

Posted by ... boost alpha às 14:43
Categories: Labels:

Sem comentários: